Minha experiência

Tomei a bebida… bem, sabe mal, mas tão mal, que não tenho memória de pior sabor que o da ayahuasca… é mesmo terrível, um nojo! Mas lá consegui beber, e só vomitei uma hora depois. Foi difícil chegar à casa de banho, pois tinha-me esquecido de como andar, quase que fui a rastejar até à casa de banho, com o meu amigo a tentar ajudar-me, mas eu era mesmo um peso morto. Chegado à sanita aterrei com a cabeça no tampo e comecei a purgar. Lavei a boca e a seguir rastejei tipo sniper para a cama, pois já nem sabia como dizer ao cérebro como mexer um dedo, quanto mais uma perna… LOL. Deitei-me, senti leveza e a sensação da cama estar a mexer-se para trás e para a frente muito rapidamente. Fechei os olhos e começou a viagem.

Primeiro saí da minha cama e fui voar. Saí do meu corpo e comecei a voar pela Terra, depois quis ir até ao espaço, onde fui e viajei pelo nosso sistema solar, entrei pelo Sol, dei três voltas à Lua e fui a Marte, onde fiquei um bocado. Nisto ficou tudo escuro e comecei a ver flashes de caras de índios que deveriam ter sido grandes xamãs, devido à sua indumentária e ao tipo de colares e enfeites, mas no fim apareceu uma caveira de aspecto muito mau, pensei que ia ter uma bad trip mas, talvez por defesa do corpo, assim que apareceu a caveira eu acordei. Andei a viajar em tempos passados, vi coisas das quais já nao me lembrava, e voltei a viver.

Sinto-me uma pessoa nova com novo alento e boa disposição e alegria. Realmente ir falando com a planta durante a preparação funciona, pois, tal como disse, a ayahuasca para mim ia ser uma coisa não recreativa, mas para descobrir mais coisas. Segui quase na íntegra os rituais xamãs, inclusive fiz um cigarro com as sobras da ayahuasca e fumei para cima dos copos. Nunca abandonei a planta durante a preparação, estive sempre com ela, a falar-lhe e a dizer-lhe o que queria. Isto do dizer é normal, porque ao falar com a planta estou no meu subconsciente a fazer a trip, mas a ayahuasca é para isso mesmo: sabermos quem somos, o que somos, e porque somos. Durou três horas, mas foi a primeira vez.

Dizem que na primeira vez nunca se tem muitas alucinações e tal, mas devido ao seu sabor não sei se conseguirei beber de novo. Espero que sim, pois adorei. Estou habituado a meter LSD raramente (para não queimar o cérebro), e a ayahuasca é mais espiritual e não dá para ir para a rua, é para se tomar em casa ou preferivelmente num mato ou floresta, em contacto com a natureza. Qualquer barulho durante a trip que não seja habitual ou não faça parte do ambiente pára a trip e acordas da viagem. É muito mau, isso. Por exemplo, o meu amigo estava aqui e sempre que eu ouvia um barulho do qual não estivesse à espera, tipo ele acender um cigarro, etc, etc. Por isso aconselho mesmo uma trip sem barulhos extras, só os que estavas a ouvir antes da trip começar.

É o que posso dizer através da minha experiência!