Introdução

Young caapi
A pequena planta ayahuasca

A ayahuasca é uma mistura de ervas da Amazónia, capaz de induzir estados de consciência alterados, normalmente durante 4 a 8 horas após a ingestão. Variando entre um estímulo suave até visões extremas, a ayahuasca usa-se sobretudo como medicamento e como meio de comunicação xamã, geralmente numa cerimónia sob supervisão de um consumidor experiente.

O ingrediente principal deste chá da selva é uma planta trepadeira, a cipó mariri (Banisteriopsis caapi), que tal como o próprio chá se chama também ayahuasca (que significa “trepadeira da alma’ ou “trepadeira com alma”). Os ingredientes secundários são a chacruna (Psychotria viridis), ou a chagropanga (Diplopterys cabrerana) – plantas com um teor relativamente alto da substância psicadélica DMT.

Ninguém sabe ao certo há quanto tempo se bebe esta poção. O primeiro contacto com o ocidente que se conhece deu-se em 1851, através de Richard Spruce, o famoso etnobotânico inglês. Ao considerarmos a evidência arqueológica comparativa do uso nativo da planta, parece que este data de há pelo menos dois milénios.

Hoje em dia existe grande interesse no uso destas plantas sagradas, e podes ler regularmente sobre elas em artigos e revistas. Este website mantém-te informado sobre tais publicações, na nossa secção de novidades.

PORQUE É QUE AS PESSOAS USAM AYAHUASCA?

Urarina shaman
Tribo xamã de ayahuasca Urarina

A ayahuasca induz um estado mental psicadélico, visionário, e o seu efeito é usado por várias pessoas e por variados motivos.

Os xamãs ou curandeiros tomam a ayahuasca para comunicarem com a natureza, ou para verem o que causa a doença de um paciente a nível espiritual. No Brasil existem várias religiões onde a ayahuasca é usada em cerimónias de grupo por todos os participantes. Beber a ayahuasca e cantar em conjunto transporta-os a uma espécie de transe para cura e inspiração.

Nas décadas mais recentes, a ayahuasca ganhou também o interesse do mundo ocidental. Não apenas os pesquisadores académicos no campo da psicoterapia mostram um aumento de interesse. Os psiconautas (por exemplo as pessoas que praticam o uso responsável e consciente de substâncias alteradoras do estado mental) usam a ayahuasca para se confrotarem com a riqueza das suas mentes, a infinidade do universo, e os seus medos mais produndos, de modo a experimentarem o êxtase resultante da confrontação e ultrapassagem desses medos.

Um efeito da ayahuasca é fazer muita gente vomitar, e muitos consumidores têm diarreia. Uma tribo denomina a ayahuasca de “kamarampi”, em referência a “kamarank”, que significa “vomitar”. Também é chamada de “la purga” (a purga), pois limpa o corpo através do seu efeito físico, e purifica a mente através das significativas experiências psicológiocas, ou visões. Normalmente sentes-te totalmente renovado e renascido após uma experiência intensa.

O QUE TORNA A AYAHUASCA TÃO INTERESSANTE?

Embora não unicamente em relação à ayahuasca, existem muitos relatórios fascinantes sobre pessoas que se curaram de problemas psíquicos, como dependência ou depressão, durante uma ou mais sessões. Isto, todavia, pode ser também conseguido com o uso de LSD, cogumelos psilocibinos, iboga, outras substâncias psicadélicas, ou várias técnicas de respiração e meditação, e envolve sempre trabalho psicológico intenso.

A ayahuasca não é uma cura miraculosa no sentido que bebes a poção e todos os teus problemas desaparecem dentro de algumas horas. É uma cura miraculosa, todavia, no sentido que trás à superfície processos inconscientes e ultra mundanos, que te permitem trabalhares com a tua mente enquanto os efeitos duram.

Bastante único em relação à ayahuasca é os seus efeitos dependerem duma mistura específica de duas plantas: cipó mariri (Banisteriopsis caapi) e chacruna (ou chagropanga, dependendo da região). Desconhece-se como e quando foi feita a descoberta da mistura destas duas plantas pelos nativos americanos, embora muitas tribos e xamãs tenham as suas próprias histórias míticas explicando o evento.

O ingrediente principal da chacruna ou chagropanga é também um neurotransmissor que se encontra em todos os seres humanos, e tem um papel fundamental em todos os casos de estados de percepção incomuns. Este neurotransmissor chama-se dimetiltriptamina, ou DMT, abreviado, e encontra-se no cérebro, no sangue, nos pulmões e noutras partes do corpo humano. Existe forte evidência que aponta para a glândula pineal (“o terceiro olho” nas tradições esotéricas), localizada no centro do cérebro, como sendo a principal fonte do DMT humano. Para além de se encontrar nos seres humanos, o DMT também pode ser encontrado em todos os mamíferos e numa variedade de plantas.

 

Pijnappelklier
Ilustração mostrando a localização da glândula pineal